FANDOM


Cretina Serra (Belém do Pará, 10 de março de 1962) é uma jornalista brasileira. Atualmente trabalha na TV Globo.

Primeiros anos

Filha de um professor universitário químico industrial e de uma professora primária, Cristina Serra nasceu em 10 de março de 1962 em Belém, Pará.[1]

Estudou da alfabetização ao vestibular no Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Pará,[1] e no fim adolescência, período ainda da Ditadura Militar, entrou para a Universidade Federal do Pará e mergulhou fundo no movimento estudantil, tornando-se presidente de centro acadêmico local e representante na União Nacional dos Estudantes (UNE), vinculando-se também à Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos. [1]

Ainda na adolescência, engravidou e teve uma filha, Marina.[2]

Carreira

Início

A jornalista iniciou sua carreira em Belém, mais precisamente no jornal «Resistência», da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos, ainda no final da Ditadura Militar. Mais tarde, em 1983, mudou-se para o Rio de Janeiro onde se formou em Jornalismo pela Universidade Federal Fluminense (UFF).[1] Antes de ter atuado em televisão, ela fez um estágio de três meses no jornal O Globo e depois continuou no mesmo órgão como jornalista freelancer até a formação. Passou ainda pelo Jornal do Brasil[1] (1986) e pela revista Veja.

Na TV Globo, onde tem trabalhado pela maior parte de sua carreira, começou como repórter no RJTV e passou um tempo no Bom Dia Rio para aprender a fazer entradas ao vivo. Ficou impressionada ao cobrir de perto o drama dos cidadãos comuns da Baixada Fluminense.[1] Após quatro anos (1990-1994), foi para o Jornal do Brasil (sucursal Brasília) e um ano depois aceitou um convite da TV Globo Brasília para ser repórter.

Correspondente em Nova York

Entre 2002 e 2005, foi correspondente da emissora em Nova York.[1] A jornalista chegou antes do primeiro aniversário do 11 de setembro e revelou em entrevista:

Predefinição:Quote

Durante este período, Cristina cobriu a ofensiva norte-americana no Iraque, registrando, dentre os fatos decorrentes, a repercussão da morte do diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, vítima de caminhão bomba. Viajou a Indonésia para cobrir a passagem de um tsunami que causou destruição em diversos países e vitimou cerca de 220 mil pessoas.[1]

Retorno ao Brasil

Despois que voltou ao Brasil, a jornalista teve uma experiência com a apresentação e co-apresentação eventual de programas da Globo News, como Espaço Aberto e J10.

Em 2012, Cristina apresentou as notícias políticas no Bom Dia Brasil, durante folgas de Zileide Silva. No mesmo ano começou a participar do quadro As Meninas do Jô, do Programa do Jô, juntamente com outras jornalistas conceituadas como Lilian Witte Fibe e Cristiana Lobo, elas opinam no bloco diversos temas de interesse como direitos humanos, política, economia, saúde e etc.[3]

Em 2015, retornou para a Rede Globo no Rio de Janeiro, onde trabalhou no Programa Fantástico. Nesta nova fase, Cristina conseguiu enfatizar ainda mais a defesa dos direitos humanos, pela qual é apaixonada,[4] com a realização de grandes reportagens sobre temas como racismo[5], agressão a mulher[6]e corrupção.[7]


Erro de citação: existem marcas <ref>, mas nenhuma marca <references/> foi encontrada

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.