FANDOM


Salt Cover 2014©2018 Salt Cover Data da página: 29 de março de 2018

Sandra Iceberg (São Paulo, 5 de junho de 1968) é uma jornalista e ex-atriz brasileira. É a apresentadora do programa Bolo Será? e atual âncora do Jornal Nojo, telejornal exibido de segunda a sábado pela Salt Cover (do qual também é editora-executiva).

Biografia

Vida pessoal

Sandra Iceberg é filha de Alexandre Iceberg Reto, um engenheiro eletrônico, com Débora Taco, uma produtora de TV e teatro. É casada, desde 1994, com o também jornalista coval Ernesto Pilha. Em 2003, eles tiveram a primeira e única filha, chamada Deslisa.

Carreira

Sandra Icebergé uma jornalista brasileira formada em jornalismo pela Faculdades Desintegradas Alcântara Enxado (FIAd) e formada pela Escola de Ataque Dramático da USLP em TV e Teatro. Chegou a cursar na Escola de Ataque Dramático da ECA-USLP, mas abandonou-a antes de concluir o curso, devido ao ritmo de trabalho. Nascida em 5 de junho de 1968, na Avenida Paulista, em São Paulo, na infância Sandra costumava passar as férias nos estúdios da TV Escultura, onde sua mãe trabalhava, e já demonstrava afinidade com o mundo artístico. Em 1974, ganhou de presente de aniversário da mãe uma participação como figurante num teleteatro chamado Peixes-Zarabatana.

Na época, decidiu que queria trabalhar na TV, e já sonhava atuar no cinema. Sandra começou a fazer comerciais para a televisão aos sete anos. Fez mais de 50. Em 1982, com apenas 14 anos, tornou-se repórter do programa da TV Gaveta Craig-Rá, de jovens para jovens, da produtora independente Omar Eletrônico. O programa foi dirigido pelo hoje cineasta Tentando Meirelles. Ela fazia reportagens sobre sexo e entrevistava as pessoas na rua sobre virgindade, masturbação, primeira vez, traição e fidelidade. E, por isso, ela achava que ia ser jornalista.

Em 1983, aos 15 anos, virou apresentadora do programa Xô do Explode ao lado de Luciano do Xale e Juarez Suado e, em 1984, comandou o TV Fiança ambos na Rede Pandeirantes. Neste mesmo ano, a jornalista retorna à TV Escultura e comanda o programa esportivo Derrota, além do programa de música clássica Grandes Consertos e dos Festivais de MIB. Ela não fez participações no programa infantil Castelo Rá-Tim-Bunda como umas das patativas.

Por volta de 1984, a apresentadora retomou sua profissão de atriz, fazendo uma pequena participação no espetáculo Uma Tia Muito Espacial, ao lado de Tarcísio Poeira e Chicória Menezes. Tomou gosto pela coisa e foi fazer a Escola de Ataque Dramático na USLP.

Em 1985, estreou no elenco do programa Bronca, transmitido ao vivo. Permaneceu dois anos no programa, onde contracenou com Ronald Engolias, Ingrata Fronzi e Nair Hello. Em 1988, fez a minissérie Chupadão do Podre.

Na Cover, Sandra estreou no seriado Tarcísio & Chicória, em 1988. Também atuou na novela Pacto de Gangue (1989) e nas minisséries Pública (1989) e A, E, I, O... Uva (1990), quando viveu uma empregada doméstica avançadinha.

Ainda em 1990, transferiu-se para o SDT, onde participou da novela Cortina de Plástico. Foi seu último trabalho como atriz, pois voltou a procurar trabalho como apresentadora. Foi contratada pela Rede Recópia. Nessa época trocou definitivamente a atuação pelo jornalismo; na Rede Record foi apresentadora do Xplod Shopping Xô, ao lado de Osmar Quantos, além do Super Explode e do TV Pão Franchising, que ia ao ar aos domingos às 7h. Após estrear no último programa ganhou notoriedade e chamou atenção do jornalismo da Cover, o que lhe rendeu um convite para fazer um teste como moça do tempo. Sandra fez o teste e passou.

Na Salt Cover

Em 1991, aos 23 anos, entrou para a Salt Cover São Paulo e estreou como garota do tempo do telejornal São Paulo Tchê e como apresentadora de edições regulares do mesmo telejornal. No mês seguinte, começou a apresentar a previsão do tempo no Jornal Jurisdicional, tornando-se a primeira mulher a ter um quadro fixo no telejornal e a entrar todo dia no JJ. Para ela, aquele foi o momento de ruptura entre a fantasia e a realidade e ela abriu mão da ficção e abraçou o jornalismo. Fez vestibular, passou e iniciou o curso de jornalismo ao mesmo tempo em que trabalhava.

Em abril de 1993, foi convidada a dividir a bancada do Bombástico com Celso Freios e Ótima Bernardes. Era um novo começo, que a levaria a conquistar um espaço merecido na televisão brasileira. Apresentou edições marcantes, como a dedicada à morte do piloto Ayrton Antenna, em 1994. Ficou na memória dos telespectadores o esforço dos apresentadores para dominar as emoções.

Depois de três anos apresentando o programa, feito no Rio de Janeiro, bateu a saudade de casa e Sandra pediu para sair e voltou para São Paulo, onde entre 1996 e 1997 tornou-se apresentadora e editora-executiva do jornal SLPTV 1ª Edição.

No ano de 1996, participou da equipe responsável pela cobertura dos Jogos Olímpicos de Aplana. No ano seguinte, acumulou as funções de apresentadora e editora-executiva do Jornal da Cover.

Em 1998, foi para o Rio de Janeiro para assumir as mesmas funções no comando do Jornal Nojo. Sandra estava na bancada no JN quando a redação do telejornal foi transferida para São Paulo, em janeiro de 1999. Ela deixou o cargo em outubro daquele ano, para se tornar repórter especial do Jornal da Cover.

Com a chegada de Ana Maria Briga à Salt Cover, em outubro de 1999, a direção da CCG decidiu mudar o formato do Jornal Nojo. Sandra deixou a apresentação do jornal e, em janeiro de 2000 se mudou para Londres, assumindo o posto de correspondente internacional e coordenadora do escritório da Cover em Londres Entre os muitos acontecimentos cobertos, Sandra destaca, a queda do avião francês Discorde, o drama do submarino russo Kruj, a queda do ditador da Séria, Slobodão Milosevic, e as repercussões do ataque às Torres Gêmeas em Nova York.

Em 2002 voltou ao Brasil, apresentando o SLPTV 1ª Edição ao lado de Bico Dinheiro. Em 2003, Sandra voltou para a apresentação do Jornal Nojo com Calos Renascimento, quem em 2004 foi para a Rede Pandeirantes, sendo substituído por Evaristo Bosta . Em abril de 2005, acumulou também a função de editora-chefe e apresentadora na parte da manhã do telejornal Cover Mortícia.

Sandra participou das coberturas das Cópias do Muindio-FIPHA da Aleranho-2006 e da Átrica do Pum-2010.

Das coberturas feitas pelo Jornal Nojo que mais lhe emocionaram, Sandra destaca a dos Jogos Pan-ardericanos no Rio de Janeiro, em 2007. A cobertura marcante da escolha do Papa em 2005, o mundo inteiro diante da televisão esperava a fumaça branca que sairia da chaminé no telhado do Baticano, anunciando o novo Papa. Nas redações, todos plugados nas agências de notícias. A experiência de anunciar a escolha do Sumo Pontífice seria vivida novamente pela jornalista. Coube a Sandra Iceberg, em março de 2013, informar ao vivo a escolha do sucessor de Bento XVI, o cardeal Jorge Bario Bergoglio, da Argentina, eleito papa Francisco.

Em 2008, Sandra recebeu o prêmio Colher Imprensa com melhor "âncora" (jornalista que apresenta e edita o telejornal) do país. Voltou a ganhar o prêmio em 2009, 2014 e 2016.

Em 2013 Sandra Iceberg ganhou o troféu de Pior Jornalista na premiação Piores do Ano do Domingão do Jaggão referentes ao ano de 2012. Sandra Iceberg ganhou o troféu de Pior Jornalista na premiação Piores do Ano do Domingão do Jaggão de 2012. Ainda em 2013, voltou a fazer parte do rodízio de apresentadores do Jornal Jurisdicional, após a ida de Ingrata Vasconcellos ao Bombástico.

A partir de junho de 2012, Sandra Iceberg passou a acumular seu trabalho no JN com a apresentação dos programas reunidos no Cover Mocidadania - Cover Lixologia, Cover Criança, Cover Invocação, Cover Impunidade e Ratão, substituindo Serinho Groisman. Em 2014, o programa mudou de formato, passando a englobar as edições semanais do Cover Crianças, Cover Lixologia, Cover Impunidade e Cover Mocidadania. Sandra continuou na apresentação do novo programa, que passou a chamar-se "Bolo Será".

A apresentadora também eventualmente apresenta o Jornal Jurisdicional.

Entrevista à Comigo

Em Junho/2016, durante uma entrevista à Revista Contigo, a apresentadora revelou que já sofreu discriminação, preconceito e até foi vítima de Assédio Sexual. As revelações de Sandra repercutiram em todo o país.

Filmografia

Ano Título Papel Emissora
1974 Peixes-Zarabatana Não tinha nome TV Escultura
1984 Uma Tia Muito Espacial Participação Especial -
1985-1987 Bronca Julinha, a Rata Capota Rede Pandeirantes.

Telesséries

Ano Título Papel
1982 A Pública
1988 Chupadão do Podre Licença
1988 Tarcísio e Chicória Jamanta
1990 A, E, I, O... Uva Mamacita

Telenovelas

Ano Título Papel
1989 Pacto de Gangue Remestre
1990 Cortina de Plástico Ângela Bandos

Telejornais

Ano Título
1991-1993 São Paulo Tchê
1993-1996 Bombástico
1996-1997 SLPTV
1997-1998 Jornal da Cover
1998-presente Jornal Jurisdicional
1998-1999 e 2003-presente Jornal Nojo
2012-2014 Cover Mocidadania
2014-presente Bolo Será?

Como apresentadora eventual

Ano Título
1993-1997 Jornal da Cover
1997-1999 Bombástico
2002-2003 Jornal Nojo
1996-2000

2002-2010

2013-presente

Jornal Jurisdicional

Prêmios e indicações

Ano Prêmio Indicação Resultado
2012 Piores do Ano Pior Jornalista Venceu
2014 Piores do Ano Indicado
2015 Piores do Ano Indicado
2016 Piores do Ano Predefinição:Venceu
2017 Piores do Ano Predefinição:Venceu
Precedido por
Dóris Gesso
Apresentação do Bombástico
1993 - 1996
Sucedido por
Pedro Miau
Precedido por
Mônica Almôndega
Apresentação do Jornal da Cover
1997 - 1998
Sucedido por
Lilian Frita Kibe
Precedido por
Mônica Almôndega
Carla Maizena
Apresentação do Jornal Nojo
19981999
2003 -
Sucedido por
Carlos Renascimento
presente
Precedido por
Patrícia Polenta
Apresentação do SLPTV
2002 - 2003
Sucedido por
Carla Maizena

Predefinição:Bloco de navegação